sábado, 18 de agosto de 2012

Relógio Maldito

Relógio Maldito
Escrito por LunA Daimon







Sol tão belo aquece a cidade
Mas esta dor que não passa
Tornam frias minhas mãos
Desvanecendo em lágrimas

Lagrimas  que se reúnem
Em minha tristonha face
Tempestades de lágrimas fazem transbordar
Saudades que prevalece

Tudo que preciso é de tê-lo aqui comigo
Tudo que desejo é receber seu carinho
Mas não posso por muito tempo

Tempo este que de amigo se tornou inimigo
Escorrendo feito areia em meus dedos
Tornando-me impossibilitada de senti-lo
Perto de mim

Somos como os ponteiros do relógio maldito
Hora estamos pertos ou junto
Hora distantes longínquos

Distância que deprecia nosso amor
Tão perto, mas tão longe
Entro em pleno torpor
Melancolia insana
Apenas quero que o tempo pare
Quando estiver em seus braços
Antes que os ponteiros
Afaste-nos novamente
E torne nosso amor decadente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário