segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Hipérbato da Intransigência




Escrito por Samuel de Andrade

Hipérbato da Intransigência


Ação.
A batalha diária. 
O medo. 
O frio. 
A estagnação. 

Necessidade de viver uma não-vida. 
Não. 
Não a morte, mas um não-existir 
Que vai perdendo a responsabilidade das coisas. 
Não é doce. 
Não é salgado. 
É apenas uniforme. 

Vontade que passa e mistura o ambiente 
Com a individualidade,
 Tornando esta, assim, dispensável.

            Uma tentativa insólita de manter 
            A atenção nesta sensação vertiginosa. 
            Não-movimento. 
            Tudo o que era, passou. 

            O meu eu passou. 
            Mas é impossível deletar as vaidades, 
            As angústias, a ansiedade 
            Pelo que é certo e errado. 

           Tragicalidade. 
           Vida. 
          As sombras nos nossos olhos e no nosso ego. 
          O simples fato de mencionar estas sombras 
          Já trás à luz um lampejo de realidade. 
          O aspecto tangente das coisas. 
          Não há como escapar dessa penúria. 

          A riqueza em detalhes não basta.
          O mundo me chamou. 
          Eu não quis responder. 
         Chamou outra vez. 
         Eu não quis. 

         Esta era minha iniciativa: 
         A de ficar inerte sobre a maca. 
         Sussurro teimoso. 
         A sorte clamava por meu existir. 
        Maldição! 
        Não tive escolha. 

        Abri os olhos e deixei a sagacidade do dia 
        Envolver toda a concepção.
        O mundo muda e translada. 
        Movimento. 
        O repúdio deste fato engrandece a essência 
        De tudo o que é original. 
        Sou original. 
        
        Um carma. 
        Meu refúgio. 
        Personificar os sentimentos não é viável 
        Quando se está num estágio de consciência de não-vida. 
        
        É avassalador! 
        A busca inserta pelo meu eu que já passou. 
        Isso é o máximo em que poderíamos confabular. 
        Um avanço. 
        Injustiça. 
       Ter nojo deste revertério que é o existencialismo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário